Edema agudo de pulmão


O edema agudo de pulmão é uma síndrome clínica que caracteriza uma emergência médica, caracterizada por um acúmulo anormal de líquidos no interstício e nos alvéolos pulmonares. O que causa muito sofrimento e sensação de morte eminente.


Causas:


            O edema agudo de pulmão ocorre quando há um acúmulo anormal de líquido nos pulmões, por hipertensão venocapilar pulmonar, acarretando um deslocamento de líquido do sangue, para o interstício e, depois, para os alvéolos pulmonares. É um desequilíbrio entre a pressão hidrostática capilar elevada e a pressão intersticial normal, em proporções em que o líquido extravasado já não pode ser removido adequadamente; falência das câmaras esquerdas; aumento da pressão diastólica final do VE; aumento da pressão hidrostática vascular, que se transmite para a pressão hidrostática capilar pulmonar, que se torna maior que a pressão intersticial normal; extravasamento de líquido em proporções maiores do que a capacidade do sistema linfático pulmonar; aumento da permeabilidade capilar;pressão coloidosmótica vascular reduzida; aumento da pressão negativa intersticial; insuficiência pós-transplantes/linfangites; causa neorogênica; infarto do miocárdio; disfunção do músculo cardíaco e fenômenos não explicados.



Sinais e sintomas:


            Sua sintomatologia é dispnéia (falta de ar), súbita ou progressiva, ocorre durante a realização de um esforço e com a evolução da doença, ela também ocorre durante um repouso principalmente á noite, quando a pessoa está deitada, em decorrência do deslocamento do líquido da parte inferior do corpo em direção ao coração e os pulmões (ortopnéia); tosse seca ou com expectoração (semelhante a clara de ovo); chio no peito, eventualmente dor toráxica; ansiedade; agitação; precordial.
Quando há eliminação de líquido róseo de boca e nariz, o paciente sente como se estivesse se afogando, ficando sentado e respirando rapidamente. É um quadro emergencial que pode causar o óbito se não for feito um tratamento rápido e enérgico no sentido de reverter o quadro hemodinâmico.


Tratamento:
           
O tratamento definitivo  do edema agudo de pulmão dependerá de sua causa.

Geralmente consiste na reversão do quadro hemodinâmico, melhorando a bomba cardíaca (geralmente com o uso de cardiotônicos injetável), diminuindo a sobrecarga hídrica com diuréticos (furasemida) endovenosos, ou o retorno venoso ao coração deficiente (sangria branca = uso de torniquetes nas pernas e um dos braços, com compressão suficiente para seqüestrar o sangue nas veias, deixando o pulso arterial nos locais) e a máscara de oxigênio.

Em casos extremos pode-se indicar a chamada “sangria vermelha” que é retirada rápida de sangue do paciente através de uma secção de uma artéria radial.


- Medicamentos ;

- angioplastia coronariana;

- valvuloplastia por cateter balão ( na estenose mitral );

- balão intra-aórtico;

- cirurgia cardíaca ( "ponte de safena" ou de válvula cardíaca );

- Implante de um marcapasso;

- opções terapêuticas , poderão ser necessários , dependendo exclusivamente do tipo de cardiopatia associada.  



Medicamentos:




Diuréticos injetáveis : 


- Furosemida: ajudam a eliminar o líquido acumulado nos pulmões;

- a morfina: diminui a ansiedade e, também a chegada de líquidos no coração.





 Vasodilatadores:


- nitroglicerina e o nitroprussiato: ajudam a reduzir a pressão arterial e o retorno venoso;

- dobutamina: efeito inotrópico positivo e vasodilatador menos intenso (observar taquicardia)


Outras medicações específicas poderão ser usadas, de acordo com o quadro clínico e a causa do edema agudo de pulmão.



Diagnóstico:


O diagnóstico se dá pela descrição dos sintomas de edema agudo de pulmão sendo os principais: falta de ar súbita e intensa, tosse seca ou com expectoração, chio no peito e, e dor torácica e o exame físico, geralmente são suficientes para o  diagnóstico da doença. No exame físico, o achado característico é a presença de ruídos anormais nos pulmões, associados a uma diminuição ou ausência do ruído normal do pulmão.
A pressão arterial e o batimento cardíaco, poderão estar elevados ou diminuídos, dependendo da causa do edema agudo de pulmão. O eletrocardiograma poderá demonstrar um aumento das câmaras do coração, presença de alterações do ritmo cardíaco e, ainda fornecer indícios sobre a causa do edema agudo de pulmão.
A radiografia de tórax  também poderá revelar um aumento da área cardíaca e derrame pleural.
O ecocardiograma nos fornece indícios sobre a causa do edema agudo de pulmão, bem como o tipo de disfunção ventricular esquerda existente : alteração de relaxamento , diminuição da força de contração ou ambos e uma estimativa da gravidade do quadro.

Exames de laboratório e cardiológicos, poderão ser realizados para se determinar a causa  da disfunção cardíaca e do edema agudo de pulmão.

Exames complementares:

- ECG:
- Gasometria arterial;
- Hemograma, eletrólitos, enzimas cardíacas, uréia e creatinina;
- Função hepática.

Prevenção:


            Na maioria dos casos não há prevenção, mas os riscos podem ser diminuídos pelo pronto atendimento e pela condução  adequada das doenças que podem levar ao edema agudo.




Publicado por: Denise Pedroso

Nenhum comentário:

Postar um comentário